Dia 15 de Março o Brasil é dia de paralisação nacional! Contra a Reforma da Previdência! Contra a Reforma Trabalhista! Por reajuste salariais dignos! Nenhum direito a menos!

Copa do mundo de futebol: símbolo da confraternização universal

Adv. José Geraldo de Santana Oliveira

Assessor Jurídico do Sinpro Goiás

Consultor Jurídico da Contee, Fitrae-BC,

Fitrae-MT/MS, do Sintrae-MS/MT e do

Sinpro Pernambuco. 

José_Geraldo_Santana

O Planeta Terra é constituído por cerca de duas centenas de países, dos quais cento e noventa e dois são filiados à Organização das Nações Unidas (ONU), muitos deles são constituídos por vários povos. Cada País possui os seus próprios valores culturais, morais e religiosos.

Ao longo de milhares de anos, os diversos povos digladiam-se, seja em busca da sobrevivência, nos primórdios da história, seja pela conquista de domínios, materiais e humanos.

O século XX, o mais sangrento de todos eles, pois as guerras de rapina e de subjugação de povos, que nele tiveram lugar, ceifaram mais de uma centena de milhões e vidas; sendo que a segunda, que foi de 1939 a 1945, ceifou, sozinha, setenta milhões. Isto sem contar a primeira, a das duas coréias, a do Vietnã, a do Iraque, do Afeganistão e outras não contabilizadas oficialmente.

Paradoxalmente, o século XX, ao tempo em que elevou a máquina de destruição humana ao seu ápice, interligou todos os rincões da Terra- já não se pode mais dizer que os nautas não sabem o rumo, porque é tão grande o espaço, como fez o Poeta Castro Alves, em seu magnífico poema O Navio Negreiro; hoje, todas as fronteiras geográficas foram desvendadas; e conseguiu a fantástica façanha de criar um símbolo universal de comunicação e de confraternização: o futebol.

Não se tem notícia de um só povo que não ame o futebol; a sua linguagem é universal, todos a entendem e a praticam. Não importam quão diferentes sejam os valores culturais das centenas de povos do mundo; o futebol unifica-os.

Há décadas, a copa do mundo de futebol, reveste-se da condição de um mágico momento deencontro de todos os povos do mundo; encontro que não se cinge às trinta e duas nações que fazem o espetáculo em campo; as outras cento e sessenta, de forma uníssona, juntam-se às que disputam a taça: em colossais e indescritíveis júbilo, alegria e confraternização. Os mesquinhos e escusos interesses econômicos, que se multiplicam, durante o período de eliminatórias e no da copa, não  empanam o brilho do emblemático significado da festa do futebol. Talvez, o único verdadeiro instante de efetiva paz universal.

Pelo seu significado, sem fronteiras, todos os cento e noventa e dois países filiados à ONU almejam o privilégio sediar uma copa do mundo. Por isto, a escolha que se dá a cada quatro anos é acirrada, em todos os sentidos.

Felizmente, o Brasil, depois de sessenta anos, tem a subida honra de sediar a copa do mundo de 2014; melhor seria dizer, de ser o anfitrião do mundo, na festa universal da confraternização. A não ser para os despachantes das tragédias e das desgraças, isto é, sim, motivo de incomparável orgulho e regozijo para os mais de duzentos milhões de cidadãos (ãs), que se abrigam neste abençoado torrão geográfico.

Somente os detratores da alegria e da irmandade universal, que se alimentam de desgraças- como a Loba, da obra de Dante Alighiere, A Divina Comédia, que se alimentava de carne humana, e quanto mais comia, mais fome sentia-, é que, numa atitude totalmente repudiável, procuram lançar cizânia e embaralhar o sincero e espontâneo sentimento de alegria dos (as) brasileiros(as), com vistas fazê-los voltar-se contra este maravilhoso espetáculo de confraternização.

Os coveiros da alegria, cinicamente, dizem que se gastam bilhões de reais com a realização da copa do mundo, dinheiro  retirado da educação e da saúde;  que é despautério, um País, cheio de mazelas sociais, como Brasil, esbanjar dinheiro com este evento; outros, agentes dos mesmos vis interesses, dizem que a copa será um fiasco; e, por aí, vai.

Estas vozes são cínicas e falsas. Aliás, são as mesmas que, durante décadas, estiveram à frente dopoder político, e, nelas, só cuidaram de semear, em abundância, a concentração de rendas e, por conseguinte, as desigualdades sociais; e, agora, querem fazer da copa do mundo um trampolim para a sua volta ao poder.

É interessante notar que as “bravas” vozes que se levantam contra o suposto “desperdício” de dinheiro, com a realização da copa do mundo, mantêm-se em silêncio sepulcral sobre os gastos de dinheiro público, com os serviços da dívida interna, que consomem, anualmente, 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB); percentual superior aos investimentos em educação pública, que não ultrapassam 5,3%, deste.

O Jornal A Folha de São Paulo, em recente matéria sobre a copa do mundo, demonstrou, numericamente, que os gastos totais com a sua realização, representam apenas um mês de investimentos da educação.

Claro que, até pela dimensão do evento, são mais do que legítimas as manifestações pacíficas, de descontentamento com os serviços públicos, e de reivindicações por mudanças profundas em sua oferta e garantia. Todavia, as manifestações marcadas pela violência, seja verbal ou física, que se voltam contra o evento, querendo empanar o seu brilho e o seu significado, além de não serem salutares, pois que representam a inaceitável negação do simbolismo universal da copa do mundo de futebol: repita-se, o mágico momento de confraternização universal; além do que, servem a inconfessáveis e repulsivos interesses.

Por tudo isto, espera-se que os (as) brasileiros(as) e os (as) demais cidadãos (ãs) do mundo, em umasó voz,  cantem a alegria da vida, da paz, da liberdade e da confraternização universais. Como fizeram os vinte mil torcedores que, num ato espontâneo, compareceram ao Estádio Serra Dourada, em Goiânia, no último dia 2, para ver um simples treino da seleção brasileira, como preparativo para o jogo amistoso com a seleção do Panamá.

Vivas à copa do mundo! Vivas ao futebol, linguagem de todos os povos!

Aos detratores da alegria, só há uma palavra digna “Vade  retro satana”. Afaste-se, satanás.

 

_

José Geraldo de Santana Oliveira

Assessor Jurídico do Sinpro Goiás